pr.abra

Um projeto que tramita na Câmara Municipal de Curitiba prevê que bares, restaurantes e casas noturnas façam ações para garantir a segurança das mulheres que se sintam em situação de risco de assédio.

O projeto é de autoria da vereadora Maria Letícia Fagundes, do Partido Verde (PV). A ideia é que os estabelecimentos adotem medidas simples que proporcionem a sensação de mais segurança às clientes, por meio de ações como acompanhá-las até seus veículos ou afixar cartazes que orientem as mulheres em relação a como agir em casos de assédio.

Entenda melhor na entrevista com Maria Letícia Fagundes, vereadora autora do projeto

Ações anteriores

Lançada em 2017 pela estilista Aisha Jacob e um grupo de amigas, a campanha “Não é Não!”, de combate ao assédio distribuiu tatuagens temporárias para mulheres durante o período do carnaval.

O principal objetivo da campanha é propor que o próprio corpo da mulher seja uma espécie de outdoor de combate ao assédio e mostrar que as mulheres podem ocupar o espaço que quiserem e se sentirem seguras onde quer que estejam. O coletivo começou em 2017 no Rio de Janeiro e se espalhou por Belo Horizonte, Brasília, Olinda, Recife, Salvador e São Paulo no ano passado. Além de Curitiba, Goiânia entra no radar do “Não é Não!”. Por aqui, grande parte dos blocos abraçou a causa e ajudou a divulgar a campanha de crowdfunding.

https://www.gazetadopovo.com.br/curitiba/campanha-de-combate-ao-assedio-nao-e-nao-quer-distribuir-10-mil-tatuagens-no-carnaval-ef2z7aq6it22ic7r3y31le792/

Comentários